Como a harmonização facial pode auxiliar nos tratamentos estéticos reabilitadores?

6 minutos para ler

A busca por beleza e autoestima está mais intensa do que nunca. Hoje, a harmonização facial e os tratamentos estéticos reabilitadores são procedimentos muito procurados por quem deseja equilibrar o rosto.

O que pouca gente sabe é que um pode auxiliar o outro de diversas formas. Seus resultados, em conjunto, ajudam a criar traços bem trabalhados na região da face, também incentivando a adaptação após as intervenções realizadas.

Quer ficar por dentro do assunto? Confira, a seguir, informações relevantes e explicações consistentes a respeito!

De que modo funciona a harmonização facial?

A harmonização facial engloba um conjunto de procedimentos que permite modificar a estética do rosto sem cortes e cirurgias. A partir de um planejamento feito por um profissional, é possível estudar as proporções da face e identificar quais regiões precisam diminuir, aumentar, receber preenchimentos etc.

Redução de papadas, olheiras, rugas e marcas de expressão, aumento dos lábios, definição da mandíbula, alterações leves no nariz, queixo e testa são algumas das possibilidades permitidas pelo tratamento. Ele se utiliza apenas de agulhas e cânulas para a aplicação.

Tecnologias a laser ou radiofrequência, peeling, e aplicação de toxina botulínica, por exemplo, também figuram entre os métodos empregados. Os resultados podem durar até dois anos, dependendo do que foi realizado e dos cuidados tomados pelo paciente.

O que faz parte dos processos de tratamentos estéticos reabilitadores?

Tratamentos estéticos reabilitadores visam tratar a saúde e a aparência do sorriso do paciente, conforme já observamos. Depois de devolver a ele funções mastigatórias e deixá-lo sem qualquer sintoma inflamatório, é hora de cuidar das proporções e da harmonia do sorriso.

Ou seja, sugerir tratamentos variados, como clareamento, lente de contato dental, aparelhos transparentes ou metálicos, implantes, entre outros. Tudo, é claro, de acordo com cada caso e baseado no diagnóstico preciso da situação. Além da autorização por parte do paciente, que acompanha de perto o profissional que redesenha seu sorriso.

Esse tipo de tratamento ainda consiste em uma opção que permite o resgate da autoestima, da confiança e do bem-estar de uma pessoa. Afinal, todo mundo quer ter um sorriso perfeito aliado a conforto e segurança para falar, comer e sorrir.

Como a harmonização facial contribui para tratamentos estéticos reabilitadores?

Diante do cenário, vale ressaltar que a harmonização facial cumpre um papel importante junto aos tratamentos estéticos reabilitadores. Para começar, um processo reabilitador visa modificar, equilibrar e ajustar o sorriso. Isso envolve o tamanho e a espessura dos dentes, a gengiva e assim por diante.

Para que o resultado seja ainda mais satisfatório, a harmonização facial pode entrar em cena. Ela serve para criar um conjunto harmônico no rosto do paciente, que por vezes não está totalmente preparado para tantas alterações.

Um planejamento completo é desenvolvido, abrangendo os dois procedimentos. A reposição de elementos do rosto e do sorriso acontece de forma complementar e simultânea, para maior satisfação do paciente e uma adaptação ainda melhor à transformação realizada.

Portanto, é de suma importância que você, dentista, trabalhe com essa variedade de procedimentos em seu consultório. Se especializar ou ter especialistas para cada uma das modalidades agrega confiança para quem quer passar por mudanças, sem falar na credibilidade acrescentada ao trabalho, que fica bem mais completo.

Como o dentista deve se preparar para esses procedimentos?

A harmonização facial e os tratamentos estéticos reabilitadores não têm prazo pré-determinado para acabar. Cada demanda é diferente, e enquanto alguns podem acontecer mais rapidamente, outros levam várias horas e exigem que o profissional fique durante horas em pé.

Também é comum que o dentista precise se posicionar de maneira inclinada sobre o paciente, ainda que possa permanecer sentado. Assim, sentir algum tipo de dor nos ombros, na região cervical e na área lombar viram rotinas, mas é preciso ter atenção!

Não deixe essa perspectiva afetar o que você faz. Cuide de sua saúde e de sua postura o quanto antes, inclusive para que o desempenho no dia a dia seja sempre eficiente e assertivo.

Quais dicas, exercícios e materiais podem ser aplicados para amenizar desconfortos?

Como uma boa postura é essencial para facilitar a vida do dentista, a seguir trazemos dicas, exercícios e materiais para usar no dia a dia.

Assim, além de melhorar as dores e desconfortos, você ganha disciplina para sentar e se postar corretamente de modo automático com o passar do tempo. Veja só!

Dicas de ergonomia

No quesito ergonomia, as principais sugestões são as seguintes:

  • sente-se sempre com a parte das coxas paralelas ao chão, em um ângulo de 90º;
  • deixe os pés apoiados no chão;
  • mantenha as costas retas no encosto e incline a cabeça apenas ligeiramente na direção do paciente;
  • posicione os cotovelos junto ao corpo ou apoiados no mesmo nível;
  • ajuste a cadeira sempre que necessário;
  • coloque a cadeira do paciente no mesmo nível de seus joelhos;
  • preserve uma distância de pelo menos 30 cm da boca do paciente;
  • faça intervalos de 10 minutos a cada 90 minutos de consultas para caminhar e se alongar.

Exercícios

Um ótimo e rápido exercício para fazer não exige equipamentos. Basta se encostar na parede e dobrar o corpo como se estivesse sentado em uma cadeira. Permaneça parado por até três minutos com cabeça, braços e troncos totalmente colados na parede, e alongue-se.

Outra alternativa é se deitar em um colchão, de barriga para cima e com um travesseiro embaixo das costas. Em seguida, pressione os joelhos contra o chão, aperte o bumbum, abra o peito e tente unir os ombros. As palmas das mãos devem ficar viradas para cima e esticadas acima da cabeça. Respire fundo e continue na posição por ao menos 30 segundos.

Materiais

Opte sempre por cadeiras confortáveis e ergonômicas, de fácil ajuste e mocho firme. Assim, você garante a boa adaptação corporal durante o tempo necessário.

Não se esqueça de trabalhar com componentes e instrumentais anatômicos, que se adaptem ao procedimento e não exijam inclinações e esforços exagerados para saber o que está fazendo. Procure por empresas credenciadas e especializadas na hora da compra.

Agora que você já sabe como harmonização facial e tratamentos estéticos reabilitadores se relacionam, além do que fazer para trabalhar neles com conforto e boa postura, coloque essas dicas em prática em seu consultório! Seus pacientes ficarão satisfeitos e você também.

Gostou do artigo? Então aproveite a visita ao blog e siga a gente no Facebook, no Instagram e no Twitter para conferir novidades e atualizações!

Posts relacionados