Entenda o que é biossegurança na implantodontia e como ela funciona

6 minutos para ler

Trabalhar na área da saúde, principalmente com processos que envolvem cirurgias — como no segmento de implantes dentários —, exige o cumprimento de uma série de regras para evitar riscos não só ao paciente, como também ao dentista, sua equipe e ao meio ambiente. Nesse sentido, é essencial conhecer e cumprir as normas de biossegurança na implantodontia.

Para esclarecer melhor esse assunto, entrevistamos a Dra. Bruna Ghiraldini, coordenadora do departamento de Pesquisa e Desenvolvimento da S.I.N. Implant System. Continue a leitura, entenda melhor o conceito de biossegurança nessa especialidade, sua importância e como aplicá-los em seu consultório.

O que é a biossegurança na implantodontia?

É um conjunto de ações voltado para a prevenção e proteção dos profissionais de saúde e do paciente, com a minimização de riscos inerentes às atividades realizadas na implantodontia. Nessa área, especificamente, por trabalhar com procedimentos cirúrgicos, a biossegurança deve ser redobrada.

Isso acontece porque, na realização de cirurgias, os dentistas precisam trabalhar, por exemplo, com campos que são protetores esterilizados e com as indispensáveis luvas cirúrgicas específicas, que já vêm esterilizadas e com manobras, a fim de que eles mesmos não se contaminem com toda sua atividade.

Por isso, os especialistas já aprendem, desde a época da graduação, a maneira correta, tanto para vestir a luva quanto para poder montar esse campo cirúrgico para que não contamine essa barreira.

Qual a sua importância?

Como o próprio conceito indica, a biossegurança na implantodontia vai garantir que o especialista trabalhe cumprindo normas de segurança para não comprometer sua saúde nem de seu paciente.

Desse modo, o papel da biossegurança na prevenção de infecções durante os processos dessa área é extremamente fundamental. O profissional não pode ter nenhum tipo de contaminação transoperatória daquele paciente, porque pode acontecer de a pessoa atendida ter, por exemplo, alguma infecção, apresentar uma falha na integração do implante, entre outros.

Responsabilidade ambiental

É importante destacar ainda que seguir essas normas e princípios, além de trazer benefício para o profissional de saúde e para o paciente, envolve também um cuidado com a questão ambiental.

Nesse contexto, o descarte do material utilizado (agulhas, tubetes de anestésicos, lâminas cirúrgicas, entre outros) deve ser feito de acordo com as normas, de forma a proteger quem vai fazer o recolhimento desse lixo posteriormente e o meio ambiente.

Como aplicar essas normas na implantodontia?

Confira, a seguir, algumas normas da biossegurança na implantodontia!

Vacinação de todos os profissionais da área de saúde

O dentista e sua equipe devem estar com as vacinas em dia para evitar contaminação do paciente e também a contaminação cruzada.

Utilização de EPIs

Os profissionais devem, obrigatoriamente, utilizar os equipamentos de proteção individual (EPIs), que são itens essenciais no dia a dia clínico no consultório odontológico, como:

  • campo cirúrgico;
  • gorro para não haver contato com cabelo nos procedimentos;
  • jaleco;
  • óculos de proteção;
  • máscara;
  • luvas de procedimento estéreis e descartáveis;
  • pró-pé para poder entrar no ambiente com o pé protegido, mantendo o ambiente o mais esterilizado ou desinfectado possível.

Limpeza e preparação do ambiente

É necessário manter o consultório, principalmente o ambiente onde serão realizadas as cirurgias, sempre higienizado. Assim, a sala deve estar preparada para fazer qualquer tipo de procedimento. Para isso, o ideal é:

  • estar sempre limpa;
  • ter as paredes pintadas com uma tinta especial lavável;
  • evitar quadros, cortinas, vincos ou quaisquer objetos que podem influenciar no acúmulo de poeira ou de bactéria ou ainda trazer dificuldade para a higienização do local.

Dessa maneira, é preciso que o ambiente e o paciente estejam preparados para o procedimento cirúrgico. As duas medidas juntas vão fazer com que a realização da cirurgia seja mais limpa, pois o profissional trabalha para eliminar o máximo possível de bactérias patogênicas que possam vir a desencadear algum problema ou alguma contaminação trans e pós-operatória.

Higienização e esterilização dos materiais

Todos os itens que serão utilizados em cirurgia devem ter sido lavados e esterilizados antes de qualquer o procedimento. Materiais e instrumentais precisam ir para a autoclave antes da utilização, sendo que esse equipamento deve estar sempre no controle de ciclos de esterilização. Aliás, existem medidas no consultório odontológico em que o dentista consegue comprar kits para saber se a autoclave está tendo eficiência.

Imediatamente após a cirurgia, o ideal é que todos os instrumentais que tenham tido contato com sangue e saliva passem por um processo de remoção em água corrente para a eliminação das partículas maiores.

Em seguida, precisam ser encaminhados para uma cuba ultrassônica com detergente neutro, processo para a retirada de mais resíduos. Depois, é feita a lavagem dos materiais com escova e detergente enzimático ou neutro. Na sequência, eles precisam ser secos, embalados e colocados em uma autoclave para passar pelo ciclo de esterilização.

Quais os principais erros cometidos na biossegurança pelos profissionais?

Seguir as normas de biossegurança na implantodontia é essencial para que haja segurança e qualidade nos procedimentos realizados pelo especialista. Contudo, muitos profissionais acabam cometendo alguns erros que podem comprometer a eficácia dessas ações, como:

  • deixar os procedimentos do dia a dia e da implantodontia caírem na rotina — o excesso da confiança, muitas vezes, pode gerar falta de atenção com os procedimentos adequados;
  • negligenciar a condição de armazenamento dos materiais — os instrumentais devem ser guardados de forma que as embalagens que garantem a esterilização não sejam furadas ou rasgadas, entrando em contato com ar antes de serem utilizados e perdendo a esterilização;
  • deixar de ler as recomendações do produto — a bula indica a forma como o material deve ser manuseado, como abrir a embalagem, como colocar no campo cirúrgico, entre outras recomendações. Então, seguir os procedimentos corretos conforme as instruções do fabricante é essencial.

Para realizar as cirurgias de implantes sem riscos, os especialistas devem colocar em prática as regras de biossegurança na implantodontia para assegurar o mínimo de riscos nos procedimentos executados. Trabalhar com fabricantes de referência, como a S.I.N. Implant System, além de garantir a qualidade nos serviços prestados, é uma forma de receber as recomendações adequadas de uso dos materiais.

Gostou de acompanhar essas dicas para trabalhar com segurança? Receba outros posts com essa temática: basta assinar a nossa newsletter!

COVID-19: O GUIA COMPLETO PARA GARANTIR A BIOSSEGURANÇA DA SUA CLÍNICA ODONTOLÓGICAPowered by Rock Convert
Posts relacionados